agualeve @ 23:03

Seg, 18/02/08


O seu objectivo mais importante é ser lido. As suas raízes estão ligadas à terra, aos hábitos de quem respira a vida em todas as latitudes. O seu Alentejo rural encerra o princípio, a matéria prima que tranforma numa linguagem invulgar de humildade, bondade e alegria de viver. Da sua persistência, luta e querer constrói os caminhos que quer partilhar, os encontros multiplos que a vida pode dar para encontrar os outros e a si mesmo.

José Luis Peixoto tornou-se universal. Os seus livros já estão editados em França, Itália, Holanda, Espanha, República Checa, Bulgária, Croácia, Turquia, Finlândia, Brasil, Hungria, Reino Unido e chega agora aos Estados Unidos com a prestigiada chancela Nan A.Talese/Doubkeday. Apenas para recodar: "Morreste-me" uma belíssima elegia em prosa sobre a morte do pai; "Nenhum olhar", um dos mais importantes romances da última década; "Uma Casa na Escuridão" em 2002, "Cemitério de Pianos", obra de 2006, dois títulos distribuídos avulso com outras publicações: "Minto áté ao Dizer que Minto" e "Hoje Não". "Cal" é o seu último livro publicado pela Bertrand. Como ele diz na entrevista publicada no Expresso de 16 de Fevereiro: "Começa agora o desafio".


Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
14
15
16

17
20
21
22
23

24
26
27
28
29



Arquivo
Pesquisar
 
comentários recentes
Aqui esta um portal de cinema recente, foi criado ...
Sim. O texto do mec é essencial, na acepção filosó...
Ainda não tive oportunidade de ler este livro de H...
Conheço os livros deste autor e, de momento, comec...